NEWSLETTER: Cadastre-se e Receba Novidades | Fale Conosco: (16) 3116-3908

NEUROMARKETING: VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR? BILL MORÉLIX

Em um mundo globalizado, competitivo, com ofertas de produtos e serviços de toda ordem e grandeza, assistimos a uma verdadeira revolução das mídias em geral, e em especial do Marketing, na busca incessante do alcance de novos clientes. Nesse cenário, surgiu o neuromarketing, um seguimento ainda pouco explorado no mundo publicitário e corporativo.

O neuromarketing busca uma melhor compreensão do comportamento do consumidor e das variáveis que o levariam a tomar uma decisão, no momento de uma compra, seja de um produto ou de um serviço. O Marketing é compreendido como um conjunto de estratégias que uma empresa utiliza para alcançar os seus clientes. Compreende-se como mix de marketing tudo que diz respeito a preço, prazos, ponto, processos, pós-venda, pessoas e publicidade. O neuromarketing tem como premissa decifrar os segredos e as sutilezas envolvidas nessa troca entre quem vende e quem compra um produto ou um serviço. É nesse contexto que a neurociência aparece, com o propósito de estudar e entender os mecanismos neuronais envolvidos na tomada de decisão, na razão e na emoção, diante de uma relação comercial.

O neuromarketing surgiu no final do Século XX, mas foi neste início do Século XXI que os estudos se intensificaram, embora ainda estejam em níveis embrionários, diante das enormes perspectivas que temos pela frente. Os desafios passam pela premissa de que as empresas conhecem e utilizam muitas ferramentas para pesquisar o mercado e as preferências dos clientes, mas elas quase não conseguem responder o que, de fato, determina a hora da compra e a escolha do produto. Ou seja, as pessoas, de forma consciente, podem até saberem o que querem, o que precisam e quanto estão dispostas a pagarem, mas, dificilmente compreendem a verdadeira motivação da compra, qual foi o display de uma loja ou o anúncio televisivo (dentre outros), que as fizeram tomarem a decisão de compra de determinado produto, em detrimento de outro produto ou de outra empresa. Além disso, determinadas propagandas permanecem por longo tempo na memória de um cliente, mesmo que ele não tenha consumido aquele produto ou serviço.

O neuromarketing estuda a essência do comportamento do consumidor e está alicerçado em pesquisas sérias que utilizam, entre outras ferramentas, o Eletroencefalograma, a medição das pupilas, a Ressonância Nuclear Magnética Funcional, permitindo mapear as áreas do cérebro que são mais ativadas em determinadas tarefas e experimentos. Áreas cerebrais relacionadas com a memória, com o prazer, com as emoções, com as recompensas, com o poder cognitivo etc., têm sido detectadas como mais ativadas, nos estudos eletrofisiológicos e de imagens, conforme os estímulos estabelecidos nas pesquisas. Muitas vezes, as respostas mostram reações mais consistentes com uma marca do que com um sabor de um produto, durante uma determinada experiência de consumo.

Desta forma, o neuromarketing relaciona o marketing com a ciência, buscando o entendimento da lógica do consumo, estudando os desejos, impulsos e motivações, traduzidos em reações neurológicas específicas e cada vez mais conhecidas pelos cientistas. Assim, conhecendo as estratégias mais eficazes e de maiores recompensas para a percepção cerebral, confrontadas com aquelas consideradas repulsivas ou insípidas, os profissionais do marketing aprimoram, constantemente, as suas campanhas publicitárias. É essa busca das motivações implícitas no comportamento do consumidor que impulsiona as pesquisas de neuromarketing.

Partindo do princípio de que o neuromarketing tem como objetivo maior, atingir e influenciar a mente dos consumidores, as estratégias envolvidas vão muito além do marketing tradicional. Em uma ação tradicional de marketing em um supermercado, por exemplo, recomenda-se colocar os produtos bem distribuídos nas gôndolas, com embalagens atraentes e preços promocionados e visíveis. Já em uma estratégia de neuromarketing, as ações envolveriam estimular o olfato dos clientes, estabelecer preços que sugerem um grande desconto, usar carrinhos de compras grandes (para o cliente comprar mais), colocar som ambiente (o cliente fica mais tempo na loja) e muitas outras estratégias. Empresas de fast foods, em geral, usam em suas peças publicitárias, a cor vermelha que, segundo os profissionais do marketing, despertam muito mais fome e apetite nas pessoas, fazendo com que o cliente coma muito e coma rápido, liberando o espaço físico da loja para o próximo cliente. Existem, inclusive, empresas que usam cores “enjoativas” no interior das lojas, para estimular a rápida saída dos clientes, após terem consumido o produto. Outro exemplo a ser citado são os provadores de roupa, nas lojas de vestuário. Se o provador é espaçoso, o cliente tende a ficar mais tempo, experimentar mais roupas e, em geral, consumir mais do que a sua intenção inicial. São várias as ações já desenvolvidas pelos profissionais que se dedicam ao neuromarketing e, no Brasil e no mundo, existem muitas empresas se especializando neste segmento, considerado de vanguarda, no mundo corporativo.

O neuromarketing ainda é uma área nova das neurociências e do marketing e, com certeza, ainda terá muitos desafios pela frente. Um deles diz respeito até mesmo às questões éticas, já que o poder de convencimento para a decisão de compra de um cliente está cada vez mais controlado, por assim dizer, pelas ações estratégicas do neuromarketing, que visam agir ao nível do subconsciente do consumidor. A crítica, neste momento, é se não estaria ameaçando a própria individualidade do cliente. Outro aspecto diz respeito às ações mal delineadas que, além de onerosas para a empresa que contrata esse tipo de serviço, pode, em muitos casos, alimentar a própria concorrência.

Não há dúvida de que o neuromarketing veio para ficar. Os desafios são imensos, densos e intensos. Porém, entender como o consumidor toma as decisões da compra, entender o que motiva o consumidor a consumir, entender como o cérebro reage aos estímulos que recebe e criar um ambiente em que os consumidores interagem com a marca, em um nível multissensorial e com um engajamento progressivo, são estímulos mais do que suficientes para os avanços das pesquisas.

Bill Morélix é Palestrante Motivacional, Médico e Escritor. Pós-Graduado em Gestão de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, é autor do livro "Nossa Empresa, Nossa Casa". 

This Is A Colored Section Title To Break Up Your Page

POR QUE CONTRATAR PALESTRANTES PELA NOSSA EMPRESA?

FACILIDADE E SEGURANÇA

Somos uma Agência de Palestrantes e representamos em todo o território nacional os melhores e mais requisitamos Profissionais da atualidade. Oferecemos consultoria gratuita e ajudamos você a encontrar o Palestrante ideal para transformar o seu Evento num sucesso, sejam Palestras, Treinamentos ou Workshops.

VANTAGENS E BENEFÍCIOS

Facilitamos a negociação e contratação do Profissional ideal para o seu Evento, além de cuidar de toda a logística para que tudo ocorra sem nenhum imprevisto. Tenha certeza que os nossos Palestrantes irão transformar a sua equipe e os resultados da sua empresa!